Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

agalma

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

Wim Wenders, Paris, Texas (1984) – revisto trinta e tal anos depois

A música de Ry Cooder é um lamento tão sentido quanto bonito e acompanha a história de um homem com amnésia, que desapareceu durante quatro anos.

Aparece e é ajudado pela família, recuperando, aos poucos, do desacerto que teve com a felicidade que vivia.

É sempre estranho pensar que não basta o amor retribuído. Não chega essa condição essencial, é preciso que o timing das emoções e dos desejos coincida, ou então, que um dos dois tenha sabedoria para esperar que o outro acerte o compasso. A não ser assim, e apesar de existir amor, a vida torna-se doentia e insuportável.

isto podia ser melhor

Entrou no comboio como se continuasse a pisar chão firme, decidida, bem cuidada e, por incrível que pareça, ainda não eram oito da manhã.

Assim que se sentou tirou da carteira o telemóvel que dedilhou com competência e sem sorrisos, um pouco arrogante mesmo. Levantou-se antes de chegar à estação e saiu pela porta, apesar de, nalgum momento eu ter pensado que não lhe seria difícil sair pela janela.

Há pouco romantismo nesta geração. Poucas gargalhadas e muita competição.

sinal

as mãos entrelaçadas e cúmplices,

escondidas,

dão sinal aos olhos para sorrirem

desafiadores, em público.

V.S. Naipaul, Para Além da Crença

Valioso este livro. Pela generosidade, rigor, disponibilidade e por tudo o que há de bom na natureza humana.

Fala das conversas e do que observou em duas viagens feitas à Indonésia, Irão, Paquistão e Malásia, uma em 1979 e a outra em 1995. O ponto de partida foi a curiosidade e o desejo de querer entender a vivência ou a assimilação da religião islâmica na vida das pessoas em contextos de guerra, de colonização ou anexação e em tempos de paz ou de progresso.

Como sabemos, a nobreza sente-se como se vê um nariz, está na cara e é difícil de mascarar. Neste livro sentimo-la e ficamos mais conscientes de que, como dizia o poeta, somos sempre nós e as nossas circunstâncias. Somos levados a olhar para as opções e decisões que os entrevistados e seus pais ou avós tomaram no contexto histórico que as justificam, ou não, mas que lhes dão o enquadramento indispensável para que possam ser compreendidas.

É esta herança de quem somos e por que somos que nos move e anima. Nalguns casos recusam-se fundamentalismos que não encaixam com o funcionamento da vida moderna, enquanto noutros, e perante realidades sem saída, o fanatismo encontra caminho. E a conclusão não serve só para esta religião, a honestidade alarga-se a todos os cantos da vida.

Na crença ou para além da crença, existimos com a consciência do fim da vida e isso deveria ser o suficiente para vivermos em harmonia, não fazer guerras, sermos mais solidários, dançarmos valsas ou praticarmos mais o cante alentejano, sempre nos encostamos uns aos outros, cantamos e é bonito.

a inocência guardada

outubro 2014 170.jpg

pintura a óleo, Rui Couto

 

 

a sete espadas, fechaduras e cadeados. O que seja.

É preciso.

Tantas crianças retiradas às suas famílias por não serem devidamente cuidadas e protegidas. A terem de ser, ainda tão meninas e meninos, astuciosos, prudentes, sobreviventes e já desprovidos de ingenuidade.

Quero acreditar que um dia, mais tarde, sejam eles próprios a criar e a proteger uma bolsa de inocência. Um lugar, junto ao coração, limpo de más memórias e de livre entrada para os seus sonhos e esperanças.

Preciso de acreditar que vão desenhar uma cábula bonita na palma da mão.

sei

que te agarras

com o corpo todo

à procura do equilíbrio necessário

para que pareças feliz.

Franz von Biber, Missa Bruxellensis – Jordi Savall

carrego no play e subo,

enlaçada em muitas voltas de cambraia e de veludo.

A realidade tem outra clareza,

assim, a alguns metros do chão,

quase sempre pendurada em troncos de árvores majestosas,

e, em algumas, com uma vista privilegiada para o mar.

 

Embalada por esta bela música e vozes,

e tendo como vizinhos os pássaros,

sinto que é mais honesta e nobre a humanidade.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D