Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

agalma

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

a jardineira

Comprei e plantei, há mais ou menos três anos, uma glicínia e uma magnólia grandiflora de folhas perenes, já com um tamanho razoável. Até hoje nada de flores.

Na opinião de duas ou três pessoas que eu pensava entendidas e a quem perguntava o que achavam da magnólia, disseram que aquilo não era uma magnólia, que devia ser uma árvore da borracha. Procurei no Google mas não cheguei a nenhuma conclusão que me fizesse decidir se a arrancava ou não, até porque, em certas matérias, como esta, prefiro ouvir e aprender com a experiência de quem sabe. Sou fã do cruzamento entre empíricos e teóricos. A semana passada decidi ir a um horto que fica no Carvalhal comprar uma magnólia de flores cor-de-rosa e de folha caduca, embora a folha caduca sempre me tenha amolecido. Mas uma decisão é uma decisão. E quando fosse plantar a nova tiraria a que lá estava.

Acontece que havia na vila uma feira e uma senhora a vender flores. Fui lá e falei com ela.

Disse-me que eu não tinha sido enganada. Tinha, de facto, uma magnólia grandiflora que demorava algum tempo até dar flor, mas que valia a pena esperar porque para além de a árvore ter sempre folhas e nunca ficar só no tronco, quando floresce dá uma flor branca cerosa e linda, espessa, tão perfeita que, essa sim, parece de borracha, e que tem um florão no centro, avermelhado, que faz valer a pena todo o tempo que demora a florir. Disse-me, ainda, que tinha por ali um livro já velhote mas que nunca largava, porque era ali que aprendia tudo sobre as plantas e flores que vendia. Foi buscá-lo e esteve a explicar-me as diferenças das folhas, e a sorte que eu tinha por a planta se ter adaptado bem à terra e que não deveria demorar muito até dar flor.

Para além da simpatia e do interesse - não lhe cheguei a comprar nada - emocionou-me o seu empenho e competência. Desfiz-me em elogios e talvez tenham sido, ainda, poucos.

Ainda não tenho flores, claro, mas fiquei mais rica com este encontro cheio de generosa disponibilidade.

Quem dera que a competência desta Senhora Jardineira não fosse uma atitude tão invulgar.

2 comentários

Comentar post

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D