Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

agalma

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

Claire Denis, Un beau soleil intérieur

Este filme honesto e sério fala sobre os relacionamentos no nosso tempo e conta com o brilho da admirável Juliette Binoche. À partida poderia ser tomado por uma história levezinha e pragmática sobre a liberdade das mulheres. Mas tem outro olhar.

Falando grosso modo não se vivem tempos de contentamento. O narcisismo que tanto tem sido estimulado, em cascatas de livros de auto-ajuda, e na competição pura e dura por causa do emprego escasso, e não só, está agora instalado como verdadeira epidemia. Claro que esta onda egoísta que se vive social e individualmente veio aumentar a solidão e a insatisfação. Como se não existisse a compaixão, a generosidade, a solidariedade e outros sentimentos que vão para além de cada um. Em direcção aos outros, aos benefícios comuns.

A história do filme é banal, porque as epidemias banalizam, uma mulher separada que tem encontros amorosos sucessivos, incluindo com o ex-marido, e que procura o amor perfeito. Quanto mais tempo passa mais vai fechando os olhos a detalhes que não gosta, porque a solidão passou a pesar muito mais que o que pretende. E o filme acaba com uma consulta a um vidente, porque é mais fácil acreditar que o problema está nas conjugações astrais ou coisa que o valha, do que na generosidade e compreensão.

É triste assistir a esta desumanização e à adoração de umbigos. Tão triste como a falta de consciencialização para a mudança de comportamentos que temos de fazer em relação às agressões que fazemos ao nosso planeta.

Não podemos continuar a usar e a deitar fora. Em tudo.

A liberdade não é isto.

Ruben Östlund, O Quadrado

É um filme fora da caixa e com uma excelente banda sonora.

Começa por tentar definir o que é arte contemporânea, sendo que o critério maior é o dinheiro que se consiga obter, não só pela aderência do público como também, e talvez sobretudo, sensibilizando as doações utilizando, para tanto, promoções bem pensadas e especulativas que provoquem controvérsia. Os assuntos sensatos de aceitação generalizada, por norma, não garantem grandes aderências. A título de exemplo, o curador do museu, numa entrevista, responde/ pergunta à jornalista o que pensaria ela se a sua mala fosse exposta numa das vitrines das salas do museu, considerá-la-ia arte?

Actual e certeiro na avaliação da cultura mercantil, tem várias cenas em que se fica a pensar. Há um jantar de angariação de fundos, chique, em que numa performance de animal/homem controlada e bizarra, facilmente tudo se descontrola entre o actor e os presentes criando o caos. Há uma outra em que por causa do roubo de uma carteira e telemóvel, por descuido do politicamente correcto, a situação ganha contornos impensáveis.

É sempre por pouco. A linha é fininha e de fácil transposição. A elegância é frágil, porque a sociedade é desigual e cria bolsas de revolta imprevistas, especialmente se os marginais, neste caso os mendigos, são úteis na corrente social do irrepreensível.

Interessante e dá-nos mais uma achega para repensarmos até que ponto podemos, ou devemos, ignorar e utilizar quem, à partida, não parece ameaçar-nos.

Sempre com a música que, pensamos, não poderia ser outra.

Imperdível.

Il s’agit donc de choisir

Escolho esta pessoa e não aquela porque a admiro. Respeito-a pelo seu pensamento e pelas acções que pratica, pela beleza que reflecte em quem a ouve, pela honestidade com que vive ou pela generosidade e coragem com que reage às adversidades. Ou pela irreverência, pela graça, pela audácia ou desassossego.

Quando somos novos, por ingenuidade e por falta de experiência (como é devido), não temos como escolher. Paixões, atracções e simpatias encarregam-se disso. Em adultos começamos a soprar incoerências, maldades, traições e outros desamores e vamos ficando mais isolados. Não é bom. Mas não é o pior. Mau mesmo é sentirmo-nos mais tolerados do que amados.

C’est la vie.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D