Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

agalma

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

Paul Mason, Um futuro livre e radioso

Porém, as ilusões perdidas são apenas metade do problema. Ao reduzir tudo à economia, e ao autorizar mentiras sistemáticas do tipo das que mataram o Lehman Brothers e justificaram o fiasco do Iraque, o neoliberalismo absolveu toda uma geração de juízos morais. Desde que se obedecesse aos rituais de execução do neoliberalismo - no trabalho, no ginásio, no bar -, o sistema era neutro para as nossas convicções éticas.

… tornou-se uma espécie de teatro ritualizado.

… é crucial compreender o fio condutor filosófico que parte de Nietzsche, passa por Hitler e chega aos neoconservadores dos EUA da era do Iraque e da direita alternativa de hoje. Nietzsche é o filósofo polivalente da política reacionária. Ele diz ao espírito da classe média, insatisfeita com a conformidade directiva, que há uma forma mais elevada de rebelião do que a proposta por socialistas, feministas e outros progressistas, isto é, uma rebelião de um só indivíduo contra a moralidade, a favor de si mesmo.

…Olhando retrospectivamente para esse período, 1911, conhecido por Grande Desassossego, Woolf escreveu: Todas as relações humanas mudaram; as que havia entre senhores e servos, maridos e mulheres, pais e filhos. E quando as relações humanas mudam, há ao mesmo tempo uma mudança na religião, na conduta, na política e na literatura.

… O fascismo a que temos de resistir não é só o fascismo da extrema-direita, escreveu Foucault. É o fascismo em todos nós, na nossa cabeça e no nosso comportamento quotidiano, o fascismo que nos leva a adorar o poder, a desejar precisamente aquilo que nos domina e nos explora.

…o grupo, escreveu Foucault, não deve ser o elo orgânico que une indivíduos hierarquizados, mas um gerador constante de desindividualização.

 

Vamos compreendendo, ao longo da vida, que a verdade é um cubo e que a nossa verdade é a face para a qual olhamos, porque é com essa verdade que enfrentamos, desejamos e vivemos. As outras, também verdades para quem nelas acredita, não me criam empatias ou justificações e é sobre elas que o meu cubo assenta, sei que existem mas não me interessam. Gostei de ler este livro por falar de conceitos e de realidades que me interessam, e porque o espelho, muitas vezes, é um consolo.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D