Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

agalma

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

carta para A.

Leio-te e entristece-me a distância. Toda a nudez da alma e maus tratos do corpo não deixam espaço para afagos, não aceitas mãos que te levantem. Dói assistir a tamanha fuga para o teu umbigo. Falta-te humildade e só a arrogância te salva. Orgulhas-te, e com razão, na sensibilidade e intelectualidade com que olhas para o mundo - de longe ou de muito longe mesmo - mas para quem te ama fica muito por entender. Devias duvidar, de vez em quando, da claridade do teu sentir e acreditar no sofrimento que, como humanos racionais, todos sentimos.

E é por isso que raramente te sinto mais frágil do que os atentos de mãos e pés. Tocam-se cordas diferentes mas seria bom perderes um pouco de tempo a ouvir outras sintonias. Ficávamos todos a ganhar.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D