Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

agalma

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

Mia Couto, o outro pé da sereia

Neste livro cruzam-se os relatos de bordo de dois missionários que seguem viagem para converter os Africanos e a vida de locais que, cerca de quatro séculos mais tarde, encontram esses escritos numa arca. A viagem é a inigualável linguagem de Mia Couto, humana e poética. Nivela-nos tanto nos sonhos como nas assombrações, porque somos sempre crédulos e cruéis, conforme o ângulo. Conforme o que vamos regando e acarinhando.

Desde os primeiros livros que sou fascinada pela sua escrita e por esse mundo, made by Mia Couto, em que a autenticidade e a comunhão entre pessoas e natureza são a estrutura, como um mapa que desenha toda a superfície e assinala as montanhas, rios e vales, assim faz o escritor tendo por base a doçura, a curiosidade e a aceitação da vida e da morte. Neste contexto a espiritualidade não é uma vivência íntima, é comunitária, ninguém se espanta de as molduras com os retratos dos mortos andarem a ser passeadas porque eles precisam de companhia e de arejar. Quem assiste pode comungar ou não destes passeios, o sagrado e o banal podem ter distâncias enormes ou estar ao pé da porta, como na vida.

Sem dramas, ou melhor, sem ser dramático, porque embora exista miséria, analfabetização e falta de cuidados médicos, como em tantos outros cantos da Terra, ele leva-nos a sentir a dignidade de se saber viver com os recursos que existem. E a dignidade merece reverência, está quase sempre associada à rebeldia que não cede à facilidade. Pode parecer tudo muito óbvio, mas não é.

 

As súmulas históricas de qualquer época contam as guerras, os tempos de paz e o ambiente social em que ocorrem. É, por isso, muito importante semear e enaltecer os afectos, as concordâncias e a beleza nas nossas vidas, porque, um dia destes, o nosso tempo também vai ser resumido. E a melhor maneira de viver este presente é nunca arrumarmos o nosso imaginário de crianças e manter, tanto quanto possível, a curiosidade e a inocência.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    bia 18.11.2016 18:48

    Graça obrigada sempre por seres gentil. Eu conheço o que te interessa e também partilho, como sabes, por isso sorrio, porque as nossas andanças preferidas não são bem estas. Mas por aqui também se aprende. Por exemplo, o exercício do compromisso mais alargado, mais treinado para a atenção que a cidadania atual nos pede. Mas o ar livre é o ar livre. Vamos-nos vendo. Beijinhos
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D