Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

agalma

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

talvez a emoção que menos estimule o poeta seja a alegria, tão breve e rara de sentir

Yuval Noah Harari, Homo Deus-História Breve do Amanhã

Depois de ter lido, há cerca de dois anos, Sapiens-História Breve da Humanidade, acabei de ler Homo Deus.

São arrasadores estes dois livros, pela inteligência, conhecimento, capacidade de esquematização e pela distância a que se coloca para falar de nós, ele incluído, com tamanha objectividade. Mas são também de arrepio, mais o que fala sobre o futuro, claro.

Parece, e é, um atlas da nossa condição.

Tudo demonstrável, físico. Algoritmos orgânicos e informáticos, ressonâncias, reacções à música criada por um programa que se especializou em imitar Bach, e mais tarde, Beethoven, Chopin, Rachmaninoff e Stravinsky, sem que a maioria dos eruditos conseguisse distingui-los. Assustador. Monta e desmonta a possibilidade do fim do liberalismo e da consequente desvalorização do individuo, comprovando a facilidade com que poderemos ser substituídos nas estruturas que conhecemos e que nos têm justificado. Teorias que parecem sustentáveis, tanto mais que temos assistido, em grande velocidade, à substituição do homem por máquinas em muitas tarefas.

Apesar de interessantíssimo e actual, não é fácil encaixar tantos pressupostos apenas com explicações cientificas de hormonas e elementos bioquímicos, até porque pensamos logo em emoções, entusiasmos, projectos e esperanças que sentimos e, muito embora o autor assuma o enorme oceano ainda desconhecido relativamente à mente, lembramo-nos como o mesmo facto é vivido por pessoas diferentes, cada ser faz a sua realidade. Aviva-nos, de caminho, para as necessidades em que temos de reflectir como sociedade e como cidadãos. As alterações climáticas, as balizas das democracias, a insuficiência de trabalho para todos, o prolongamento da vida em condição frágil e idosa e os avanços da ciência e da indústria.

Cito uma frase do final do livro: Hoje, ter poder equivale a saber aquilo que devemos ignorar. Cuidado que, quanto a mim, já não é novo.

Do tanto que aprendi e em que reflecti com estes dois livros, ficou a certeza que quando voltar a pensar em certos assuntos serei menos ingénua, guardando e aumentando, no entanto, o lugar do sonho.

Conjugações difíceis. Mas não impossíveis.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D